domingo, 24 de maio de 2015

Sobre a série "Shadowhunters"

  6 comments    
categories: ,


Oi,oi, gente! Quanto tempo, né? Mas bem, vim falar hoje sobre a série de TV sobre Os Instrumentos Mortais. Depois daquele filme que decepcionou a maior parte dos fãs, vamos ganhar uma segunda chance de ver a adaptação dos livros. Antes de opinar no elenco, vou dizer que eu adorei a ideia de fazer uma série! Acho que vai ser melhor desenvolvida, e parece que eles estão investindo nisso mesmo. Além disso, gostei de eles chamarem a série de Shadowhunters, pois assim a série abrange o universo todo, ou é o que eu espero (quem sabe, se tudo der certo, conseguimos uma adaptação de Peças Infernais?).

Mas bom, uma das partes mais polêmicas de qualquer adaptação, é o elenco. Então vou falar um pouco o que achei dos atores, e fazer uma comparação com os do filme, porque não dá pra não comparar, né?

Clary Fairchild - Kat McNamara 

No filme, quem interpretou a Clary foi a Lily Collins. Eu não gostava particularmente dela como Clary, não tinha muito a ver com o que eu tinha imaginado, mas era aceitável. Adorei a Kat, achei que ela é a cara da Clary. Sobre o cabelo, sim, ela vai ficar ruiva para o show. Inclusive já ficou. O ruivo dela é um tom mais claro do que o da Lily, e mais alaranjado, mas eu gostei. Acho que ela vai ser uma ótima Clary! Além disso, ela vai estar no próximo filme de Maze Runner.











Jace (vamos deixar sem o sobrenome, porque né) - Dominic Sherwood 

Olha, eu gostava muito do Jamie Campbell Bower como Jace, mas o Dominic Sherwood conseguiu superar minhas expectativas. O medo de quem ia interpretar o Jace era geral, mas acho que o Dominic conseguiu agradar, pelo menos a mim. Ele estava na adaptação de Academia de Vampiros, mas a maioria deve conhecê-lo pelo clipe da música Style, da Taylor Swift. Existe uma certa polêmica com relação a cor (cores?) dos olhos dele, já que o Jace tem olhos dourados por certos motivos. Sinceramente, não ligo muito, Acho até legal essa coisa de ele ter só uma parte do olho castanho, acho que dá a impressão de que ele mexeu com mágica e isso aconteceu haha

Simon Lewis - Alberto Rosende 

Bom, gente, com o Simon, é um pouco complicado pra mim. Eu era (sou!) apaixonada pelo Robert Sheehan, que interpretou o Simon no filme. Acho ele perfeito como Simon (e como pessoa, vamos combinar.), então eu duvidava que alguém fosse conseguir superá-lo. O Alberto Rosende não conseguiu superar. No começo eu não gostei nem um pouco dele, mas com os óculos e vendo as fotos do elenco, estou começando a aceitar. Mesmo assim, preferia o Robert :x











Isabelle Lightwood - Emeraude Toubia

No filme, quem interpretava a Isabelle era a Jemima West. Eu gostava bastante dela, mas adorei a Emeraude Toubia. Achei ela bem a cara de Isabelle, e fiquei super feliz, porque a Isabelle é possivelmente minha personagem favorita. Houve certa polêmica com ela e com o Alberto por eles serem latinos. Sinceramente, não vejo problema algum, contanto que eles consigam fazer o bom sotaque americano!












Alec Lightwood - Matthew Daddario

Gente, eu AMEI o Matthew Daddario como Alec. E, sim, ele é irmão da Alexandra Daddario! Eu já não gostava do Kevin Zegers como Alex, achei ele muito velho e, não sei, só não captava muito a essência do personagem. Mas eu estou completamente apaixonada pelo Matthew, ele é exatamente como eu imaginei! Possivelmente é meu ator favorito até agora.













Magnus Bane - Harry Shum Jr

E já que a gente falou de Alec, vamos falar de Magnus! No filme ele era interpretado pelo Godfrey Gao. Eu gostava bastante da aparência dele, mas a atuação não foi das melhores. Gostei do Harry Shum Jr, acho que ele tem uma carinha de Magnus e acho que ele combina com o Matthew. Muita gente deve conhecer ele de Glee, mas eu nunca acompanhei a série, então não conheço muito da atuação dele pra falar. Vamos esperar que ele faça jus ao Magnus!










Luke Garroway - Isaiah Mustafa

Eu não gostava muito do Luke do filme, e infelizmente não gostei muito do Isaiah Mustafa. Sempre imaginei o Luke um pouco mais... Meigo? Não sei, mas ele me parece muito agressivo (?). Luke tem uma livraria, gente, e esse cara não parece ler, não. E eu vi um vídeo dele falando e a voz dele é muito grossa, me assustou. Torcendo pra que ele consiga me convencer!













Jocelyn Fairchild - Maxim Roy

Honestamente, eu nunca tive uma imagem muito nítida de como seria a Jocelyn. A do filme me agradou, e também gostei da Maxim Roy. Ela é bem bonita e tem cara de Jocelyn, então, aprovei!















Valentine Morgenstern -  Alan Van Sprang

Quem aí lembra do Valentine do filme? Aquele que parecia ter saído do filme de Piratas do Caribe? É, bom, aleluia eles conseguiram acertar dessa vez. Alan Van Sprang será o novo Valentine, e eu achei ele perfeito. Tem cara de vilão, e inclusive interpreta(va) um em Reign. Acho que ele vai ser ótimo!














Bom, gente, por enquanto é isso que temos por enquanto. Estou morrendo de curiosidade pra ver quem vai interpretar o Sebastian, apesar de ele só aparecer no terceiro livro. No geral, gostei muito do elenco, e acho que essa série vai ser incrível (ou pelo menos eu espero!). Sei que eles fizeram algumas mudanças, como envelhecer um pouco os personagens (enquanto no livro eles tem 16/17, no filme eles vão ter em torno de 20, se não me engano.), mas acho que vai funcionar.

E vocês, o que acharam?
Beijos,

domingo, 3 de maio de 2015

Resenha: A Lista Negra

  7 comments    
categories: 
Essa é a história de Val e Nick. Eles são dois adolescentes que se conhecem no primeiro ano do ensino médio e se identificam de imediato. Val convive com pais ausentes, que brigam o tempo todo e só criticam suas roupas e atitudes. Nick tem uma mãe divorciada que vive em bares atrás de novos namorados. Os dois são alvo de bullying por parte de seus colegas do Colégio Garvin. Nick apanha dos atletas e Val sofre com os apelidos dados pelas meninas bonitas e populares. Ambos compartilham suas angústias num caderno com o nome de todos e tudo que odeiam, criando um oásis, um local de fuga, um momento de desabafo, pelo menos para Val. Já Nick não encara a lista e os comentários como uma simples piada. Há alguns meses, ele abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma co¬lega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista das pessoas e das coisas que ela e Nick odiavam. A lista que ele usou para esco¬lher seus alvos.
Olá! Finalmente, gostei de um livro. Esse foi minha prima que escolheu pra mim, então agora só vou ler os livros que ela mandar! Antes de começar a resenha, quero me justificar com relação a um outro livro. Como vocês devem saber, li Trono de Vidro e adorei. Infelizmente, a sequência, Coroa da Meia-Noite, não funcionou pra mim. Nem consegui terminar de ler, e é por isso que não vou fazer uma resenha.

Mas, vamos focar em A Lista Negra.

O livro conta a história de Valerie Leftman, Nick Levil, e, pra mim, de muitas outras pessoas. Depois de Nick atirar em vários colegas da escola, inclusive Valerie, e em seguida, se matar, a garota tenta lidar com seus conflitos internos e externos. Sendo culpada por muitos por ter iniciado a Lista Negra que Nick usou para escolher seus alvos, Valerie está perdida, sem saber como se sentir, como agir, ou o que pensar de si mesma. 

Esse é um livro parado. Fora a tragédia principal, o livro é feito mais de emoções e sentimentos, tanto de Valerie para com os outros, quanto dos outros para com ela. Esse foi um dos aspectos que mais gostei. Nunca passei por nada parecido, e só Deus sabe como eu reagiria se algo do tipo acontecesse, mas acredito que a reação de Valerie foi apropriada, e muito bem desenvolvida. Seria certo culpar-se por não perceber os planos de alguém tão próximo quanto seu namorado? Ou seria ela uma vítima como todos os outros alunos? E que tipo de pessoa era Nick, realmente? Poderia uma pessoa ter dois lados tão opostos, um tão bom, mas outro tão cruel?

Nick amava Shakespeare, principalmente Hamlet. Já disse que adoro referências, mesmo que não entenda ao que elas se referem. Morte e suicídio eram tópicos frequentes nas conversas entre ele e Valerie, mas pra ela, era só uma brincadeira. É horrível que eu ame Nick? Não acho que seja, mas vou me justificar. Amo-o como personagem, por ser tão misterioso e tão real ao mesmo tempo. Amo que podemos ver seus dois lados. As vezes, a vida torna pessoas boas, em pessoas ruins. É por isso que não odeio Nick, e entendo o porquê de Valerie nunca poder: Nick é digno de pena, por ter deixado de ser o que era, ou deixado que um lado seu que devia ser reprimido, tomasse conta. Ele matou muitos, e matou a si mesmo. E, ao mesmo tempo que gosto de pensar que o entendo, sei que nunca vou. O que passava por sua mente é somente dele.

Valerie fez algumas decisões ruins na vida, e ela sabe disso. Sabe que lidou da maneira errada com muitas situações. Achei incrível como a autora expressou isso na escrita, como pudemos sentir genuinamente as sensações, a confusão, o medo, a vergonha, a saudade e todos os outros mil sentimentos de Valerie. Disse no começo que achava que essa era a história de muitos. Digo isso pois, diferentemente de muitos livros, apesar de estarmos completamente envolvidos por Valerie, não somos privados das vidas daqueles com quem ela se envolve. E, assim, temos diversas perspectivas e reações ao acontecimento, e cada personagem parece ser importante, pois ele estava presente. Porque foi afetado.



Achei interessante a autora não ter introduzido um interesse amoroso, e adorei a mudança. Eu particularmente gosto de romances, mas sinto que se houvesse muito disso nesse livro, seria inapropriado. Valerie mal consegue se decidir como se sente em relação aos pais, quanto mais em relação a algum garoto.

Se ainda não consegui me expressar bem, vou ser direta e dizer que amei esse livro, e entendo perfeitamente porque tantas pessoas amaram. Com A Lista Negra, vi que as pessoas são egoístas. Mas vi também que uma mesma pessoa pode ter vários lados, e basta pressioná-la para que o lado melhor supere o pior. "E como sempre há tempo para a dor, também sempre há tempo para a cura." E a vida segue.

Bom, gente, é isso. Vocês já leram A Lista Negra? Se não, recomendo muito!
Beijos,