domingo, 15 de janeiro de 2017

Resenha | Minha Vida Mora ao Lado

  1 comment    
categories: 

Os Garrett são tudo que os Reed não são. Barulhentos, caóticos e afetuosos. São de verdade. E, todos os dias, de seu cantinho no telhado, Samantha sonha ser uma deles, ser da família. Até que, numa noite de verão, Jase Garrett vai até lá e...
Quanto mais os adolescentes se aproximam, mais real esse amor genuíno vai se tornando. Contudo, precisam aprender a lidar com as estranhezas e maravilhas do primeiro amor. A família de Jase acolhe Samantha, apesar dela ter que esconder o namorado da própria mãe.Até que algo terrível acontece, o mundo de Samantha desmorona e ela é repentinamente forçada a tomar uma decisão quase impossível, porém definitiva. A qual família recorrer? Ou, quem sabe, Sam já é madura o bastante para assumir suas próprias escolhas? Será que está pronta para abraçar a vida e encarar desafios?Quem você estaria disposto a sacrificar pela coisa certa a se fazer? O que você estaria disposto a sacrificar pela verdade?

Oi, oi, gente! Tudo bem com vocês? Hoje vim fazer uma resenha do livro Minha Vida Mora ao Lado, que eu cismei que chamava Minha Vida na Casa ao Lado (gosto mais do meu título hehe). Escolhi esse livro bem ao acaso mesmo, quando estava procurando um livro de romance na livraria. Já tinha ouvido falar muito bem então pensei "ah, por que não?" e hoje estamos aqui nessa resenha. Então, vamos lá.

Bom, o livro conta a história de Samantha Reed, uma adolescente de 17 anos, filha de uma deputada e vizinha de uma família de 8 filhos (sim, 8 filhos), os Garrett. Samantha sempre foi fascinada pelos família da casa ao lado, por essa ser tão diferente de sua própria família e, claro, por causa da implicância de sua mãe com os vizinhos. Ela nunca tinha tido contato com nenhum dos Garretts até encontrar um dos filhos mais velhos, Jase, e entrar no mundo dele.

Achei que esse seria um livro clichê. Aquele romance água com açúcar, fofo, pra passar o tempo e aquecer o coraçãozinho. E ele é, sim, tudo isso. Mas não só isso. Diferente do livro que li antes desse, Novembro, 9 (resenha aqui), esse livro me convenceu. Todo o enredo parecia fazer muito sentido. Os personagens tinham personalidades bem definidas que os faziam muito reais. Nesse livro, como no outro, há uma tragédia. Mas nesse caso, senti que a tragédia considizia com a história, acrescentava para o enredo, foi importante para o desenvolvimento dos personagens e da trama, enfim, não foi forçada.

Outro ponto muito positivo desse livro foram os personagens. Diferente de muitos romances contemporâneos, não houve um foco absurdo no casal principal. Todos os personagens secundários tiveram papéis importantes, motivações próprias e desenvolvimentos incríveis. O aspecto político também era muito real e um tanto perturbador, na verdade. Mas, com certeza, minhas cenas favoritas eram na casa dos Garretts. Amo a ideia de uma família gigante. Jase, Joel, Alice, George, Patsy, Duff, Harry e Andy (ufa) eram os filhos reais de uma família real. Eles brigavam e se estressavam e invadiam a privacidade um do outro... mas também se amavam e se protegiam de uma maneira linda que me fez amá-los demais. Nos momentos difíceis, eu consegui sentir real empatia por eles e por Samantha, real raiva de Nan e real amor por Tim.

O relacionamento de Jase e Samantha também não foi nada forçado. Suas conversas eram muito naturais, suas brigas, pertinentes e não irritantes. Na verdade, todos os relacionamentos desse livro foram muito bons.

A única coisa da qual senti falta nesse livro foi a resolução final. Achei que um ou dos pontos ficaram não finalizados e não resolvidos. Mesmo assim, posso dizer que meu coração ficou sim mais quentinho depois de ler Minha Vida Mora ao Lado.

E vocês, já leram esse livro? O que acharam?
Beijos,
Ju

Um comentário:

  1. Oii!!

    Faz tanto tempo que desejo por esse livro que sempre me dá um apertinho no coração quando vejo resenhas. Não sabia que o final ficava um pouco incompleto... mas não vou desistir, ainda quero muito esse livro!

    Beijos,
    Natália.

    www.doprefacioaoepilogo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir